Quem é Dr. Marcelo?

Nasci em Porto Alegre, em junho de 1988. Cresci tendo orgulho da minha cidade, sempre ouvindo que tínhamos saúde de primeira, boa educação e segurança garantida. Pouco a pouco, vi Porto Alegre ser abandonada pelos gestores e suas péssimas políticas e (des)governos.

Minha identificação com a Zona Sul da cidade vem desde cedo: morei toda a vida nessa região da Capital, tendo muita afinidade com bairros como Restinga e Lami, onde moravam alguns familiares meus. Também foi na Zona Sul que realizei o Ensino Fundamental e o Ensino Médio.

Motivado pelo desejo de ajudar as pessoas, decidi fazer Medicina, passando no vestibular da UFRGS em 2007 em primeiro lugar geral. A integração com a Universidade foi decisiva: comecei a militar no movimento estudantil ativamente a partir de 2008, como representante dos alunos frente a colegiados da faculdade e diretor do Centro Acadêmico Sarmento Leite em 2010. Ali, conheci a importância da mobilização, lutando contra a precarização do Ensino Superior e a limitação de espaços estudantis.

Em 2012, me formei em Medicina. Hoje, faço especialização em Psiquiatria e mestrado em Saúde Coletiva. Antes de me formar, já havia decidido que retribuiria à sociedade o investimento em minha educação. Comecei a trabalhar no SUS logo que me formei. Em mais de 3 anos como médico de postos de saúde da Restinga e do Extremo-Sul de Porto Alegre, vi de perto o sofrimento de quem precisa do SUS em nossa cidade. Mas também vi que podemos fazer muito mais nos serviços públicos, se a prioridade dos governos for as pessoas e não o dinheiro e o poder.

A experiência com a medicina comunitária me mostrou que precisamos ter um olhar diferenciado para as comunidades que mais precisam, como o Lami, a Restinga e tantas outras. Quem sofre tem pressa, não pode esperar. Porto Alegre necessita de um programa de emergência que enfrente o caos na saúde, na segurança e em outros serviços públicos. Não podemos aceitar uma cidade como a que temos hoje, em que só são atendidas em postos de saúde pessoas que morem em áreas regularizadas: saúde é direito de TODOS!

Tão importante quanto minha caminhada na saúde foram outras vivências que tive. A diversidade sempre foi parte da minha vida. Cresci em meio à religião de matriz africana, o que sempre me fez ter respeito pela liberdade religiosa e pela ancestralidade. Fui batizado na Umbanda ainda bebê, e iniciado na religião aos 14 anos de idade pelo babalorixá Everton de Iemanjá Bomi, fé que mantenho e cultuo até hoje.

Me descobrir e identificar como LGBT não foi fácil, mas me deu forças para lutar para que outros LGBTs possam ser livres em uma sociedade sem preconceitos, em que tenhamos nossos direitos respeitados e garantidos pela lei.

Agora, me proponho a estar representando o povo de Porto Alegre na Câmara Municipal. Assim como meu partido, o PSOL, que construo desde 2012, tenho lado: o lado dos trabalhadores, dos mais necessitados e dos oprimidos, de LGBTs e do povo de matriz africana. Precisamos sair desse estado de paralisação em que se encontra o país, e isso só poderá acontecer se não elegermos mais os mesmos de sempre, que não têm nenhum compromisso com o povo.

Junto com Luciana Genro, temos propostas possíveis e criativas, que serão colocadas em prática junto a uma reestruturação do governo municipal. Propomos, por exemplo, a criação de um serviço de telefone gratuito para orientar os cidadãos sobre saúde e ajudar a encaminhar os pacientes para os lugares certos: postos, UPAs, hospitais. Queremos uma segurança cidadã, em que a prevenção – que sempre é o melhor remédio – seja a regra, e não a necessidade de punir depois que o pior já aconteceu.

Precisamos da tua ajuda para que essa luta chegue à Câmara Municipal de Porto Alegre e à Prefeitura da nossa cidade.

Dia 2 de outubro, vem com a gente, vote 50555 para vereador e 50 para prefeita!

Com Dr. Marcelo Rocha na Câmara e Luciana Genro na Prefeitura, teremos uma Porto Alegre com Mais Saúde!